Mas e a crise? Entenda a Economia Colaborativa.

Sharing economy collaborative peer-to-peer mesh consumption

Está na moda… Todas as minhas frustrações profissionais agora tem um nome que tira das minhas costas o peso das derrotas. Importante, não estou dizendo que não estejamos passando por um momento difícil política e economicamente, mas sim que algumas muletas estão sendo criadas com essa fase cíclica em momento de baixa da economia. Para mim um dos grandes vilões de toda essa crise é a TECNOLOGIA.

Estranho, né? Sim, muito, mas aquilo que surgiu para melhorar e facilitar nossas vidas está se tornando o fim para muitos pensamentos e crenças de que sempre foi feito assim e assim deve se perpetuar.

Vamos começar com a crise dos transportes, quem já não ouviu falar do UBER? Por que ele precisou ser criado? Algo regulamentado não deveria ser melhor e mais seguro? Em tese sim, mas infelizmente não é o que retrata a realidade. E o WhatsApp, acabando com as SMS das telefônicas, e agora com mensagem de voz também. NetFlix, mais um da lista das crises, agora para as emissoras de TV, por que não assistir a programação de filmes e séries na hora que EU quiser?  Também temos as refeições compartilhadas no Meal Sharing, olha aí a crise batendo na porta dos restaurantes. O NuBank com seu cartão de crédito sem anuidade para sempre e controle todo através do seu tablet ou smartphone.

Pra finalizar, o ZOPA, quem não conhece deve ouvir falar em breve, guarde esse nome que deve gerar uma boa economia para seu bolso. Trata-se de uma plataforma onde quem tem dinheiro empresta e quem quer tomar dinheiro emprestado o faz sem a intermediação de um banco e com juros absurdamente menores dos que os praticados atualmente. Para se ter uma idéia, na Inglaterra, onde a plataforma já movimenta mais de um bilhão de libras a taxa anual para quem empresta gira em torno de 5% ao ano. E é vantajoso tanto para quem empresta quanto para quem toma a grana para tocar seus projetos.

Isso tudo, chama-se economia colaborativa, nada tem a ver com crise, mas certamente, quem não aderir a essa nova onda, pode amargar prejuízos talvez insustentáveis para qualquer que seja o ramo de atividade. Olhos atentos para todos os movimentos nesse sentido, o famoso pensar fora da caixa agora pode te salvar de qualquer crise!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *